terça-feira, 25 de novembro de 2008

BURACOS E TRINCHEIRAS NO JARDIM! SEU CÃO FAZ ISSO?

Quem tem casa com jardim e um cachorro conhece bem o problema.
Cães adoram cavar buracos na terra e acabam destruindo aquele canteiro que consumiu horas de dedicada jardinagem. Cavar buracos é uma atividade natural e saudável para os cães, mas pode ser controlada ou evitada com adestramento. Diversos motivos levam os cães a fazer buracos. Eles cavam para esconder ossos e restos de alimento, para preparar um lugar fresco para deitar, para aliviar tédio ou ansiedade, para exercitarem-se, para chamar a atenção e, acredite, para imitar o dono.
O primeiro passo para resolver o problema é identificar e eliminar as causas que levam o cão a assumir a personalidade de um tatu. Cães são animais sociáveis. Precisam da companhia do dono para ter uma vida saudável. Eles devem ser levados para passeios, para fazer exercícios e interagir com o dono e sua família.
Um cão abandonado no fundo do quintal pode sofrer estresse e se pôr a cavar. Caso você não disponha de muito tempo para seu animal, brinquedos projetados para ele se divertir sozinho ajudam a aliviar a solidão do bicho.
Cães gostam de lugares frescos e agradáveis para dormir. Se ele está fazendo do canteiro dormitório, é porque não acha a cama em que dorme confortável. A solução é melhorar as acomodações do bicho. Se toda vez que o seu cachorro abre um buraco no jardim você corre para consertar o estrago e lhe dar bronca, ele vai cavar sempre que se sentir carente.
A bronca e o conserto significam a atenção que ele tanto quer. Como agir? Ignore o estrago, não dê bronca e tape os buracos na hora em que o cão não estiver por perto. Outra atitude que leva alguns donos à loucura é a mania de certos cães em revolver exatamente aquele canteiro que acabou de ser adubado e remexido pelo próprio dono ou pelo jardineiro. Não é sacanagem do bicho. É que cães aprendem por imitação.
Por isso, evite cavar na frente deles. Uma vez identificado o que leva o bicho a cavar e eliminada a causa, é a hora de aplicar punições. Mas, atenção: toda punição deve ser despersonalizada, para que o cão não repita o comportamento indesejado durante sua ausência. Se todas as vezes em que cavar o cão for punido, em poucos dias o problema estará resolvido.
Um tipo de punição despersonalizada eficiente é colocar as fezes do próprio cachorro no fundo dos buracos que ele cavou e cobrir com um pouco de terra. Isso causará uma sensação desagradável ao cão assim que ele voltar a cavar o mesmo buraco.
Outro truque que dá resultado é colocar uma bexiga no fundo dos buracos e cobri-las com um pouco de terra. O barulho do estouro da bexiga assustará o bicho, desestimulando-o a cavar.
Se você flagrar o cachorro cavando, experimente jogar latas vazias em sua direção. Mas não deixe que o cão perceba que é você quem está atirando as latas. Do contrário, ele não fará a associação do cavar com objetos desagradáveis que caem sobre ele vindos do nada.
Quanto mais eficazes as punições, mais rápido o problema será eliminado. Por isso, considere a possibilidade de manter seu cão em algum lugar que ele não possa cavar quando você não tiver a oportunidade de puni-lo.
Muitos comportamentos considerados indesejados, como latir exageradamente ou cavar, são sintomas de cães estressados. O estresse surge principalmente em animais que ficam trancafiados no quintal e raramente desfrutam passeios e a companhia do dono. Não se esqueça de que os cães são seres sociais, que dependem da nossa companhia para levar uma vida saudável.
Escrito por Alexandre Rossi, Zootecnista

www.focinhos.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete vantagens do Uso da Homeopatia em Veterinária:

1. Não requer experimentação cruenta em animais.

2. Não utiliza drogas de elaboração industrial, artificial, tóxicas e/ou contaminantes.

3. Pode prescindir de vacinas ou outros meios artificiais para a prevenção das chamadas enfermidades contagiosas evitando assim, muitas vezes, sérios efeitos colaterais negativos.

4. Promove de forma terapêutica e favorece ideologicamente mudanças de atitude vital, tanto dos pacientes quanto dos terapeutas e cuidadores, ajudando na construção de um mundo melhor.

5. Custo baixo!

6. Trata surtos epidêmicos em populações tanto de forma profilática quanto terapêutica.

7. Ao reequilibrar a energia vital do enfermo atua sobre o organismo como um todo (holos) melhorando não só os sintomas físicos como também os mentais, melhorando as relações com o ambiente, os sofrimentos, os medos, etc.