domingo, 25 de janeiro de 2009



continuando a postagem anterior...
PRINCIPAIS PARASITAS DE CÃES E GATOS (2)

Ancylostoma caninum (cães)não necessita de hospedeiro intermediário mas a ingestão de ovos por aves e pequenos mamíferos que depois venham a ser ingeridos por cães podem contaminá-lo; VIAS DE TRANSMISSÂO: oral,transmamária (principal via), percutânea (através da pele - ambientes com higiene precária).É um nematódeo hematófago, que suga o sangue quando fixado a mucosa intestinal, provocando diarréias sanguinolentas, mucóides, com quadros clínicos agudos e extremamente debilitantes, que podem ser inclusive confundidos com a parvovirose (pode ser fatal dependendo da quantidade de parasitas e as condições de saúde do hospedeiro). Filhotes são os mais afetados e no caso de cães que adquirem as larvas ao mamar, os sinais clínicos podem apresentar-se já aos 15 dias de vida (anemia severa).
Uma particularidade importante do ciclo deste verme é que ele pode se encistar (formar cistos) na musculatura dos animais, protegendo-se desta forma da ação dos vermífugos. Estas larvas encistadas podem ser reativadas em situações de queda de imunidade ou de administração de anti-helmínticos, promovendo a recolonização periódica do intestino dificultando assim os programas de vermigugação.
Larvas infectantes de Ancylostoma podem penetrar na pele de seres humanos causando a dermatite serpiginosa ou Larva Migrans Cutânea (potencial zoonótico), conhecida popularmente por “bicho geográfico”.
Em gatos as ancylóstomas mais comuns são Ancylostoma tubaeforme e A. braziliense. Ambas não apresentam transmissão transmamária e os quadros de anemia apresentam-se mais tardiamente.
Um ancylostoma adulto chega a consumir 0,1 ml de sangue do hospedeiro por dia!!!
O PPP é de 2-3 semanas quando a transmissão se dá pela via oral e percutânea. Na via transmamária(cães) é de 15 dias (protocolo para vermifugação mais precoce).

Dipylidium caninum não é um verme redondo e sim achatado, com vários pequenos fragmentos ligados entre si (proglotes). Estes proglotes podem ser vistos nas fezes, parecidos a grãos de arroz e se movimentam para a região ao redor do ânus e podem ser encontrados na cama do animal!! O hospedeiro intermediário são as pulgas e piolhos, que quando ingeridos pelo animal, ao se coçar e lamber, infestam o hospedeiro definitivo (cão e gato). São pouco patogênicos, não apresentando sinais clínicos específicos, mas podem ocorrer disfunções intestinais e prurido anal. Somente o controle de pulgas no animal e no AMBIENTE é eficaz para o controle, juntamente com o vermífugo adequado.
Via de transmissão: unicamente a oral.
O PPP é de 2 semanas.
Neste verme, especificamente, é muito difícil encontrar os ovos nos exames de fezes utilizados comumente. É mais fácil encontrar os proglotes nas fezes. Portanto, exames de fezes negativos para este verme mas com presença de pulgas e piolhos no cão, levam a vermifugação obrigatória.

Giardia lamblia (cães e gatos) É uma das zoonoses mais frequentes. É um protozoário. A VIA DE TRANSMISSÃO é exclusivamente a oral. Os sinais clínicos são diarréia, desidratação, dor abdominal, perda de peso, febre, náuseas, diarréia secretora, flatulência, dor e distensão abdominal. Os oocistos são extremamente resistentes às condições ambientais. Devido à baixa sensibilidade dos métodos convencionais de diagnóstico, em virtude dos parasitas ocorrerem em níveis subclínicos e da eliminação de cistos ser naturalmente intermitente (não é eliminado continuamente podendo mascarar os exames de fezes específicos), deve-se proceder a exames específicos de pesquisa de Giardia, com 3 amostras em dias alternados, coletados em líquido próprio para conservação do material.


fonte da tabela: www.fmvz.usp.br/index.php/site/content/download/3712/18303/file/helm%20cães-gatos-2007.pdf


Em breve: Toxoplasmose
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete vantagens do Uso da Homeopatia em Veterinária:

1. Não requer experimentação cruenta em animais.

2. Não utiliza drogas de elaboração industrial, artificial, tóxicas e/ou contaminantes.

3. Pode prescindir de vacinas ou outros meios artificiais para a prevenção das chamadas enfermidades contagiosas evitando assim, muitas vezes, sérios efeitos colaterais negativos.

4. Promove de forma terapêutica e favorece ideologicamente mudanças de atitude vital, tanto dos pacientes quanto dos terapeutas e cuidadores, ajudando na construção de um mundo melhor.

5. Custo baixo!

6. Trata surtos epidêmicos em populações tanto de forma profilática quanto terapêutica.

7. Ao reequilibrar a energia vital do enfermo atua sobre o organismo como um todo (holos) melhorando não só os sintomas físicos como também os mentais, melhorando as relações com o ambiente, os sofrimentos, os medos, etc.