sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

ENTENDENDO SEU CÃO


Fiz o download do livro do Alexandre Rossi no site http://veterináriosnodiva.com.br (aliás, não deixem de dar uma fuçadinha lá pois os textos, livros e filmes pra download são bárbaros!) e resolvi colocar aqui algumas partes do texto, que acho importantes para o entendimento do "SER CANINO". São coisas que falamos nas consultas mas que o querido e competentíssimo Alexandre Rossi, zootecnista e adestrador de renome internacional,profundo conhecedor do universo e do "pensar" animal, nos traduz numa linguagem fácil, bem humorada e precisa. O livro é muito bom e todos os cuidadores de animais e veterinários deveriam lê-lo, pois evitaríamos muitos transtornos comportamentais que vemos no dia-a-dia da clínica, causados por simples erros na conduta e no manejo dos nossos queridos animais. Pretendo colocar mais capítulos do livro ( ADESTRAMENTO INTELIGENTE COM AMOR, HUMOR E BOM SENSO
Editora CMS - 9° edição – 2002 - 255p – il.) em futuras postagens. As observações entre parêntesis e em itálico, são minhas! Leia-se EDUCADOS em lugar de ADESTRADOS, o efeito é melhor!

DELICIEM-SE...

A MATILHA
Os cães não são só companheiros, protetores e diversão para nossas crianças. São animais predadores que vivem em matilhas e possuem uma complexa organização social.
Se entender e respeitar essa organização, o resultado será felicidade e bem-estar reinando entre você e seu grande amigo.
Neste capítulo você vai aprender:
􀂾Que, para o cão, sua família é a matilha.
􀂾Que o cão só vai respeitá-lo se você for o líder dessa matilha.
􀂾Como se tornar o líder.
􀂾Que a violência deve ser evitada.

O CÃO FAZ PARTE DE UMA MATILHA
A primeira lei do adestramento, e também do convívio entre cães e humanos, exige que você compreenda a realidade do cão. Ele não é gente ( Ah! eu falo tanto isso no consultório e pra alguns pareço UM MONSTRO!). É um ser que pertence à matilha e possui ainda todos os instintos de sobrevivência, proteção e afeto de que seus antepassados necessitaram para sobreviver como espécie.

DESENTENDIMENTOS
Sem a consciência de que somos diferentes, entramos em disputa com os cães e acabamos ficando nervosos ou frustrados com suas reações. Esperamos que os cães queiram o que queremos, que sintam como nós sentimos e, ainda pior, que pensem como nós pensamos.
Suponha que, ao alimentar seu cão, ele comece a rosnar para você. Isso imediatamente o deixa transtornado, pois você interpreta isso como ingratidão e, além de não se sentir amado, sente-se ameaçado. Nós nos comportamos e reagimos de maneira diferente da dos cães quando amamos. Se esperarmos que os cães se comportem como humanos, seremos vítimas de sérios mal-entendidos. Ficaremos muito frustrados e não usaremos nosso tempo para entender pacificamente as diferenças que existem entre homens e cães.
Entender como funciona uma matilha não lhe dá apenas uma nova e crucial compreensão sobre o cachorro, mas também uma visão diferente de como ele deve ser treinado. Os valores dos cães são diferentes dos nossos, e é pelo conhecimento deles que percebemos os erros mais comuns ao educar e adestrar os cães.

PAPEL DO LÍDEROs cães, na matilha, necessitam de um líder, um cão que graças às suas habilidades conduza os demais. Inúmeras regras são impostas por ele ao grupo. A marcação do território, por exemplo, geralmente cabe ao líder da matilha; portanto, quando o nosso cãozinho sair pela casa urinando, provavelmente estará disputando a liderança ou acreditando que é o líder da matilha.
O líder da matilha, felizmente, impõe respeito por sinais e atitudes, e a briga só em último caso é a forma de disputa pela liderança. Isso ocorre por uma razão muito importante: quando os cães brigam realmente, eles se machucam, e qualquer membro da matilha debilitado diminui as chances de sobrevivência do grupo. O tempo todo os animais recebem e passam informações uns aos outros a respeito de quem é o líder e de quem é o subordinado. Se eles, por milênios, agem assim para estabelecer a ordem, teremos mais sucesso se fizermos a mesma coisa. Como conseguir isso? Neste capítulo explicaremos como se tornar o líder da matilha sem empregar a violência ou machucar seu cão.

A HIERARQUIA É OBRIGATÓRIA
Muitas vezes, passamos inconscientemente ao cão a informação de que ele é o líder da matilha, e quando ele age como tal ficamos transtornados e aborrecidos. Não é justo não gostarmos do nosso cão por ele ter agido de acordo com a educação que recebeu de nós mesmos. Há um ditado que diz: "Cada pessoa tem o cachorro que merece". É uma verdade expressa pela sabedoria popular, pois nós influenciamos de tal maneira o meio ambiente e as atitudes de nossos cães, que praticamente tudo que eles aprendem é resultado direto ou indireto de nossa maneira de tratá-los (viu só?).
Se quiser ser respeitado por seu cão, você pode escolher um método que lhe pareça interessante e tentar impor isso ao animal, ou pode utilizar um método que faça sentido para ele. É claro que o segundo método é bem mais eficaz, mas depende de um conhecimento muito maior sobre cães. Por exemplo, um método bastante popular é bater no cão quando ele faz algo errado. Acontece que, para ele, uma pancada significa ataque ou convite para brincar, e nenhuma das alternativas corresponde ao que você gostaria de lhe comunicar.
Para os cães a hierarquia é obrigatória, todos os cães sabem exatamente o lugar que ocupam na ordem dentro do grupo. Cada posição e cada atitude têm significado para os outros cães. Essa linguagem canina é natural e importante para eles. Se o filhote for separado da mãe e dos irmãos muito cedo (antes de sete semanas), a linguagem não se tornará natural, o que vai criar problemas para o animal no convívio com outros, além de fazer dele um cão mais difícil de ser treinado( aqui está um dos motivos pra que as vendas e doações não sejam feitas nunca antes de 60 dias!).



LINGUAGEM CANINA
Os cães se testam continuamente para saber quem é o líder. Como dissemos antes, não é
necessário que briguem para estabelecer o domínio. A liderança é assegurada por atitudes e posições que formam a linguagem canina. A seguir daremos alguns exemplos da linguagem usada pelos cães e seus significados.
1. Um cão pode rosnar e ameaçar brigar até que o opositor saia de perto, corra ou fique numa posição que queira dizer "ok, você é o chefe". Esse é o sentido que têm as posições vulneráveis que permitem ao vencedor fazer o que quiser, inclusive tirar a vida do subordinado. Existem duas posições clássicas: ou o animal vencido se deita com a barriga virada para cima (expondo a parte frágil da barriga) ou se curva mostrando a nuca (que também é frágil). Em ambas as posições as orelhas ficam coladas à cabeça (ou para trás) e a ponta da língua permanece fora da boca.
2. Ou pode andar todo esticado em torno do oponente, com a cauda erguida e o pêlo arrepiado. Isso significa: "Sou líder!" Se o outro aceitar o domínio, irá assumir uma posição de submissão; se não aceitar a hierarquia proposta, irá partir para a briga até que haja um vencedor que submeterá o outro.

COMO FAZER USO DA LINGUAGEM CANINA
Às vezes, ladrões são encontrados vivos em casas protegidas por cães ferozes que deixaram de atacar os invasores assim que esses se curvaram ou deitaram no chão e não se mexeram mais. Por sorte, os ladrões ficaram numa posição de submissão diante dos cachorros, para quem a disputa perdeu o sentido. Se esses ladrões tivessem tomado outra atitude poderiam ter morrido na ocasião. É claro que este não é um manual para ladrões, com truques de como assaltar uma casa, mas todas essas reações e comportamentos se mostram importantes para transmitir um sentimento de domínio e confiança ao animal. Por exemplo, quando o seu cachorro estiver aterrorizado com raios e trovões em meio a uma tempestade, estufar o peito e andar firmemente significa que você tomará conta da situação. Isto o acalmará. Se você, em vez disso, se abaixar e acariciar o cachorro, poderá amedrontá-lo ainda mais, pois na linguagem canina estará passando o comando para ele e mostrando que também está com medo. Entender a matilha e o comportamento de seus membros também auxilia o treinador a aumentar a confiança de cães excessivamente submissos e corrigir comportamentos decorrentes disso. Um cão excessivamente submisso costuma urinar e virar de barriga para cima toda vez que seu dono chega em casa ou fala com ele.
Nessas circunstâncias, a pior maneira de lidar com o problema é gritar com esse cão ou dar uma surra nele por urinar. Ele já está mostrando sinais de submissão e, se você gritar, isso significará que a mensagem que ele transmitiu ainda não está clara. Isso o levará a urinar mais ainda ou sair correndo...
O conhecimento de cada expressão corporal do seu cão auxilia incrivelmente a determinar a eficiência da punição, da recompensa e a prevenir ataques.



LIDERANÇA
Desde filhotes, os cães já demonstram disposição para disputar a liderança do grupo, e as brincadeiras são fundamentais. É através delas que o cãozinho desde logo percebe como controlar a força de suas mordidas, aprende a se comportar, a brincar e a disputar.
Os líderes das matilhas geralmente indicam o rumo aos demais caminhando à frente. É possível distinguir logo cedo o cãozinho com maiores chances de ser líder pois, para onde ele vai, os outros o seguem.

QUEM É O LÍDER DA MATILHA
Ser o líder da matilha significa estabelecer as regras. Qualquer pessoa que tenha um cão e queira morar numa casa que não funcione de acordo com padrões caninos, terá todo o interesse em estabelecer as regras. Para isso, paradoxalmente, precisará se comportar como se fosse o líder da matilha.
Ao contrário do que muita gente pensa, o líder da matilha costuma ser o membro mais querido do grupo. É impressionante o carinho e a alegria demonstrados pelos cães quando o líder os agrada, ou quando volta de uma caçada ou de algum passeio. Se você conseguir ser o líder do seu cão, ele o respeitará mais e gostará mais de você ( portanto, PELO AMOR DE DEUS, exerçam a liderança SEM CULPA!).

PARA NOSSO CÃO NÓS SOMOS CACHORROS
Para o cão, a nossa família é a matilha à qual ele pertence. É isto mesmo, para ele, nós também somos cachorros! Ele tentará descobrir qual a posição que ocupa entre os membros da família. Mesmo que goste muito das pessoas, se o seu cão acreditar que poderá liderar a matilha, irá disputar o poder com você de inúmeras formas, a maioria delas superdesagradáveis! Carinho e afeto para ele não impedem disputas pela hierarquia. Ser o líder da matilha significa proteger os demais membros e impor as regras para que a matilha prospere. Podemos observar dois cães se lambendo e mostrando afetividade não muito depois de terem disputado a liderança a mordidas.

LIDERANDO COM VIOLÊNCIA
Uma das maneiras do cão aprender é por imitação, por isso, se uma pessoa conseguir impor respeito ao seu cão pela violência, provavelmente fará com que esse cão imite a sua técnica para obter respeito ou, quem sabe, chegue um dia a disputar violentamente com ela a posição de liderança. Alguns fortões riem, incrédulos, quando são informados de que seu cão poderá disputar algo violentamente com eles, pois dizem que o cachorro não terá a menor chance. Nisso talvez estejam certos, mas o que acontecerá se o cachorro for mostrar o que aprendeu para os filhos do doutor Fortão ou para qualquer outra pessoa não tão vigorosa e agressiva?
Uma pessoa que grita com o seu cão ou bate nele é um péssimo líder, pois só consegue sua posição por meio de ameaças e agressões. Cães que recebem esse tipo de tratamento adquirem seqüelas graves que dificultam muito o adestramento e, às vezes, tornam-se perigosos ao redirecionar sua agressividade para alguém da casa que não consiga dominá-los. Um cão que é submetido com o uso de violência aprende que é assim que as regras são estabelecidas. Por isso, não devemos culpar nosso cão por sua agressividade quando é tratado violentamente, pois está simplesmente seguindo nosso exemplo.
Existem inúmeras maneiras de nos tornarmos líderes de nossos cães sem praticar nenhuma violência. Qualquer tipo de agressão contra o animal atrapalha o condicionamento e altera negativamente seu padrão de comportamento. A violência não é uma maneira eficiente de se comunicar com seu cão ou de puni-lo.

ANDE NA FRENTE
Como o líder geralmente anda à frente, a maioria dos cães procura ocupar essa posição. Modificar esse comportamento já é uma boa maneira de controlar a escalada da hierarquia pelo seu cão. Mas como fazer isto? É muito fácil, simplesmente engane o seu cachorro algumas vezes, finja que vai para um lado, vire para o lado oposto e saia andando; quando ele ultrapassá-lo novamente, vire para o outro lado, e assim por diante. Não demorará muito para que ele desista de andar à frente e passe a prestar mais atenção a seus movimentos. Pronto, não doeu nada e, por incrível que pareça, esse cachorro já estará em melhores condições de ser educado e treinado. O mesmo cuidado deve ser tomado ao passar por portas ou portões: sempre conduza seu cão. Algumas pessoas ficam impressionadas com o fato de seu cão magicamente deixar de fazer xixi pela casa ou de parar de morder as visitas, simplesmente por terem exigido que ele esperasse que elas passassem em primeiro lugar. De mágica isso não tem nada. O fato é que, ao restaurar o domínio, automaticamente outros comportamentos foram alterados, como o da demarcação de território.

INVERTA A SITUAÇÃO
Quando o seu cão latir ou pedir de alguma maneira que você o alimente, leve-o para passear ou qualquer outra coisa; se você o satisfizer imediatamente, estará obedecendo as ordens dele (CARACA eu canso de dizer isso!), e ele interpretará isso como uma prova de que ele é o líder do grupo. Por isso, não entenderá nada quando for corrigido ao demarcar o seu território, ou ao decidir quem entra ou não na sua casa. Não é preciso fazer seu cão passar fome, nem deixar de ir passear com ele para resolver esse problema. A situação é invertida simplesmente se comandarmos algo ao cachorro antes de fazer o que ele está esperando. Qualquer comando serve, mas para cachorros mais mandões é aconselhável algo como o comando "deita", pois um simples "senta" ou então "dá a pata" não se mostram suficientemente eficazes. O que fazer se ele não obedecer? Ignore-o completamente e não faça o que ele quer ou está esperando (Eu também canso de dizer isso). Resultados surpreendentes podem ser obtidos com essa técnica. Mas é importantíssimo que não haja nenhum tipo de correção ou castigo caso o cachorro não o obedeça. Lembre-se de que o tom de voz ao dar o comando deve ser normal; não é necessário falar alto. A audição dos cães é muito superior à nossa e seu cachorro terá todo o interesse em obedecê-lo, caso contrário, além de não conseguir o que quer, será ignorado por seu querido dono.
Alguns cães recusam-se a executar comandos, abrindo mão até de alimento como forma de testar a liderança. Mais cedo ou mais tarde, porém, eles se convencem de que você é o líder e de que a sobrevivência deles depende de você (seja DURÃO!).




GANHE RESPEITO E DÊ BONS EXEMPLOS
A questão da liderança é importantíssima para o treinamento. Ser um líder não é tão difícil, mas ser um ótimo líder demanda treinamento, conhecimento e atenção. Quanto mais respeito e mais carinho o seu cão sentir por você, mais fácil e mais prazeroso será o adestramento. Ele terá todos os motivos do mundo para querer obedecê-lo.
Um líder perfeito só passa bons exemplos aos seus subordinados e não exige respeito - ganha-o. Infelizmente, boas intenções não bastam, portanto não aconselho que se brinque com a boca do cachorro ou se permita que ele a use para disputar algum objeto com você, fazendo cabo-de-guerra. Se você ou qualquer pessoa estiver do outro lado do brinquedo, embora o que se tenha em mente seja um divertimento, poderá estar incentivando o cão a utilizar a boca e a disputar fisicamente com quem estiver na outra extremidade. Quando o cachorro brinca de mordê-lo, adquire confiança e aprende a usar sua arma (boca) contra você. Quando brincamos de puxa-puxa, para o cachorro isso pode ser uma disputa de liderança, e ele a ganha cada vez que sai com o objeto na boca. Pode parecer inofensivo, mas, se ocorrer algum problema ou disputa na hierarquia, alguém poderá sair machucado. Se não estiver disposto a parar ou evitar essas brincadeiras, pelo menos tenha certeza de que será você quem sairá vencedor e não seu cachorro.
Devemos ganhar, sempre, qualquer disputa física.
E por último, quando seu cão se comportar ou mostrar submissão, elogie-o. Assim, além de mostrar que você é o líder, dará a ele o prêmio de receber atenção ao deixar que você ocupe essa posição.

APLICAÇÃO DA LEI DA MATILHA:
1. Seja o líder da matilha.
2. Ganhe respeito e não o exija.
3. Faça o seu cão merecer o que quer e o que precisa: peça-lhe para executar algum
comando simples antes de receber comida, sair para passear, ou quando quiser que você abra a porta para ele, etc.
4. Caminhe na frente do seu cachorro e passe sempre antes dele por portas e portões.
5. Nunca grite ou bata em seu cachorro.
6. Jamais deixe que ele ganhe qualquer disputa física. Se você tiver que segurá-lo, não o solte se ele espernear ou mordê-lo. Só o solte quando você decidir, e de preferência quando ele parar de espernear.
7. Não deixe que ele o morda, nem de brincadeira, e evite as disputas de cabo-de-guerra.
8. Não o machuque e nem o enforque.
9. Elogie a submissão dele a você e aos demais membros de sua família.



Mãos a obra!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete vantagens do Uso da Homeopatia em Veterinária:

1. Não requer experimentação cruenta em animais.

2. Não utiliza drogas de elaboração industrial, artificial, tóxicas e/ou contaminantes.

3. Pode prescindir de vacinas ou outros meios artificiais para a prevenção das chamadas enfermidades contagiosas evitando assim, muitas vezes, sérios efeitos colaterais negativos.

4. Promove de forma terapêutica e favorece ideologicamente mudanças de atitude vital, tanto dos pacientes quanto dos terapeutas e cuidadores, ajudando na construção de um mundo melhor.

5. Custo baixo!

6. Trata surtos epidêmicos em populações tanto de forma profilática quanto terapêutica.

7. Ao reequilibrar a energia vital do enfermo atua sobre o organismo como um todo (holos) melhorando não só os sintomas físicos como também os mentais, melhorando as relações com o ambiente, os sofrimentos, os medos, etc.