segunda-feira, 23 de março de 2009

CÂNCER: COMO IDENTIFICAR OS PRIMEIROS SINAIS

Queridos leitores, clientes e amigos.
Demorei um monte pra fazer postagens porque estou preparando um artigo sobre CÂNCER em cães e gatos, com o que há de tratamentos alternativos, alimentação e outras cositas mais. Isso leva muito tempo de pesquisa, traduções, organização textual e editoração. Não acabei ainda mas já estou mais próxima de um conteúdo atualizado pra vocês. Os casos de câncer vem aparecendo cada vez mais e a ausência ou desconhecimento de terapêuticas eficazes e menos agressivas, a prevenção, a alimentação, o manejo, os "porquês" e os "comos" vem povoando os meus pensamentos com uma insistência e persistência avassaladora.
Este post é só para distraí-los enquanto faço um mais completo e elaborado. Aguardem com paciência. Grande abraço.




IDENTIFICANDO OS PRIMEIROS SINAIS DE CÂNCER NOS ANIMAIS

Cada vez mais os pets tem feito parte das nossas vidas como membros de nossas famílias e conseqüentemente surge a preocupação e o desejo de que vivam tanto ou tão bem quanto nós e os nossos familiares. Uma das principais causaS de mortes em cães e gatos acima de 10 anos de idade é o câncer. Algumas estimativas sugerem que mais de 50% de cães nesta faixa etária morrem de câncer. Como em medicina humana, quanto mais cedo se diagnostica o câncer em nossos animais, maiores chances de sucesso alcançaremos em seus tratamentos. Alguns sinais de perigo ou atenção podem ser identificados precocemente e não devem de forma alguma ser recebidos com pânico mas sim, levar os cuidadores a procurarem a ajuda de profissionais veterinários para uma consulta de avaliação. São eles:

1. AUMENTO DE VOLUME DOS LINFONODOS que são estruturas pertencentes aos sistema linfático, distribuídos ao longo do corpo do animal. Os mais facilmente identificáveis são o submandibular ( atrás da mandíbula) e o poplíteo (na face posterior da coxa, mais ou menos no meio dela). Quando aumentados podem sugerir um tipo de câncer chamado LINFOMA. Biópsia e citologia são os exames utilizados neste caso para o diagnóstico desta enfermidade ou suspeita dela.
2. PRESENÇA DE “MASSA” localizada externa ou internamene. Podem ser visualizadas facilmente quando na pele do animal ou através de palpação do abdome e mamas, por exemplo. Mudanças de tamanho, textura ou forma de massas já existentes, também devem ser pesquisadas.
3. DISTENSÃO ABDOMINAL : aumento de volume do abdome, visivelmente alterado em seu tamanho e/ou consistência, com desconforto ou não à inspeção , podendo sugerir aumento de volume de algum órgão abdominal ou conseqüências de formação de massas nesse órgãos, como ascite, hemorragias ou dor local. Radiografias e ultrasonografias podem elucidar o quadro.
4. PERDA DE PESO CRÔNICA. Este sintoma pode surgir em diversas patologias diferentes, portanto não é específico do câncer, mas indica que algo não está bem e que deve ser pesquisado. Muitos pacientes com câncer apresentam perda de peso.
5. DIARRÉIAS E VÔMITOS CRÔNICOS. De origem inexplicada, pode ser necessária investigação mais acurada do que usar um simples vermífugo suspeitando-se de verminoses. Freqüentemente tumores do trato gastrointestinal podem causar esses sintomas. Radiografias, ultrassom, endoscopias podem ser ferramentas importantes nestes casos.
6. HEMORRAGIAS . Locais como boca, gengivas,nariz, pênis, vagina, ânus, fezes, urina, etc.que venham a sangrar esporádica ou constantemente, devem ser examinados minuciosamente na busca de causas.
7. TOSSE. Tosse seca, não produtiva em cães mais velhos, devem ser verificadas. Este tipo de tosse é o mais comum em animais com câncer de pulmão.
8. MANCADURAS. Mancar de um membro, especialmente em cães de raças grandes e gigantes é um sinal muito comum de câncer ósseo. Pode ou não estar associado a aumento de volume localizado ou inchaço completo de um membro. Radiografias são os exames indicados neste caso. Em alguns casos as biópsias também podem ser decisivas no diagnóstico.
9. DIFICULDADE EM URINAR, acompanhada ou não de sangue na urina. Se uma infecção urinária não for diagnosticada ou for repetitiva, a pesquisa de formações tumorais deve ser levada em conta. Ultrassonografia, cistoscopia e RX contrastado são alguns exames utilizados nestes casos.
10. MAU HÁLITO. Tumores orais ocorrem com certa freqüência. Podem alterar o apetite do cão, que fica mais seletivo em função da consistência mais ou menos firme da ração, podendo também alterar a forma de mastigar o alimento. Frequentemente um odor desagradável acompanha estes tumores. Uma inspeção bucal minuciosa, na maioria das vezes é suficiente para localizar uma massa nessa região. A sedação é muitas vezes imprescindível para um exame minucioso.

Este texto foi adaptado (praticamente traduzido) do link abaixo:
http://www.acfoundation.org/links/ten-signs-of-cancer.php
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete vantagens do Uso da Homeopatia em Veterinária:

1. Não requer experimentação cruenta em animais.

2. Não utiliza drogas de elaboração industrial, artificial, tóxicas e/ou contaminantes.

3. Pode prescindir de vacinas ou outros meios artificiais para a prevenção das chamadas enfermidades contagiosas evitando assim, muitas vezes, sérios efeitos colaterais negativos.

4. Promove de forma terapêutica e favorece ideologicamente mudanças de atitude vital, tanto dos pacientes quanto dos terapeutas e cuidadores, ajudando na construção de um mundo melhor.

5. Custo baixo!

6. Trata surtos epidêmicos em populações tanto de forma profilática quanto terapêutica.

7. Ao reequilibrar a energia vital do enfermo atua sobre o organismo como um todo (holos) melhorando não só os sintomas físicos como também os mentais, melhorando as relações com o ambiente, os sofrimentos, os medos, etc.