sábado, 7 de novembro de 2009

ATOPIA CANINA: Abordagem integralista


A dermatite atópica (DA), também chamada de atopia, é uma enfermidade de pele muito comum nos dias de hoje e que se apresenta cada vez mais freqüente no dia a dia das clínicas veterinárias que atendem pequenos animais.
A queixa principal é sempre o PRURIDO e consequentemente surgem as lesões de pele resultantes do auto traumatismo e infecções secundárias por bactérias e fungos. Estas lesões secundárias podem apresentar-se sob a forma de crostas, alopecia (ausência ou rarefação de pelos), lignificação (pele rachada e aparentemente espessada, sem pelos) e hiperpigmentação (pele escura, preta mesmo). As áreas mais afetadas são a face, principalmente ao redor dos olhos e boca, as patas ( principalmente nas extremidades e entre os dedos), região abdominal ventral, inguinal, axilar, face flexora da articulação do tarso e face extensora da articulação do carpo, pina (extremidade das orelhas), canal auricular externo(ouvido), genitália feminina e ânus.
Quando a pina (ponta da orelha) e o canal externo do conduto auditivo encontram-se afetados, a otite externa surge normalmente como sua complicação. Há relatos de que mais de 80% dos animais com DA apresentam otites. Infecções secundárias com leveduras e bactérias são freqüentemente encontradas nestas otites.

Diagnóstico

A suspeita se baseia na localização das lesões e pela exclusão das demais dermatopatias alérgicas, parasitárias, hormonais e nutricionais. Não há exames laboratoriais que confirmem o diagnóstico de atopia.
Algumas raças apresentam predisposição genética para apresentar a DA, como goldens, labradores, pastores alemães, weast highland terriers, e as pequenas raças como shitzu, maltês, lhasas e poodles, sendo estas últimas quatro as que mais atendo no meu consultório com quadros de atopia, mas qualquer raça pode ser afetada, inclusive os sem raça definida. Fêmeas parecem ser mais afetadas que machos (60 e 40% respectivamente). A faixa etária mais afetada está entre 1 e 3 anos (mais de 60% dos casos), seguida por geriátricos (acima de 7 anos) e pediátricos (até nove meses de vida).

O diagnóstico da dermatite atópica esta relacionado aos antecedentes do paciente (dermatites e otites recidivantes que respondem a terapia com corticóides); sinais clínicos como prurido e vermelhidão da pele, afetando os ouvidos, o focinho, os olhos, as superfícies flexoras, as patas e a parte ventral do organismo animal; diagnóstico diferencial com outras patologias de pele como sarna sarcóptica, sarna demodécica, malaceziose disseminada e outras; falta de resposta a dietas de eliminação hipoalergênicas de duração mínima de 6 semanas, que utilizam uma proteína nova na alimentação. Não costumo indicar provas de alergia para estabelecer um diagnóstico, já que de 10 a 20% dos cães clinicamente atópicos apresentarão provas sorológicas e intradérmicas negativas, além do que o teste de sensibilidade tem um custo altíssimo para a maioria dos cuidadores.
Atopia Canina


A dermatite atópica é uma enfermidade multifatorial da qual fazem parte tanto componentes alérgicos, como defeitos na barreira cutânea, infecções microbianas e outros fatores exacerbantes (agravantes).

Vejamos alguns dos possíveis fatores exacerbantes:

Ectoparasitas – As pulgas e os carrapatos podem ser uma complicação nos casos de DA, assim como a sarna sarcóptica, e a sarna demodécica, estando esta última associada a imunosupressão. Formas naturais de controle de ectoparasitas são as mais indicadas em animais atópicos 

Infecções bacterianas e por leveduras – são freqüentemente responsabilizadas pelos quadros de dermatites, mas na verdade podem ser uma conseqüência do quadro atópico ou simplesmente cursarem conjuntamente com o quadro. A imunosupressão ( ou baixa da imunidade) pode favorecer o surgimento de infecções por malassezia e stafilococos concomitantes ao quadro de DA. O própolis é um grande aliado nessas infecções a medida que age tanto sobre algumas bactérias quanto leveduras e pode ser utilizado tanto na forma tópica diluído na última água do enxague do banho ou diluído em água e borrifado sobre a superfície corpórea.

Estresse – é uma sobrecarga sobre os sistemas de controle e adaptação do indivíduo e que podem precipitar ou exacerbar sinais clínicos dermatológicos.
Alguns exemplos de estresse ambiental e social: estimulação mental inadequada, exercícios inadequados, interação inadequada com a família e outros animais, acesso limitado a fontes essenciais (comida, água, abrigo), isolamento social, conflitos de status, conflitos relacionados a território, adição ou perda de membros da família, alteração de saúde de um ou mais membros da família, alteração da rotina diária, casa ou ambiente novo, alteração do ambiente físico, viagem, hospitalização, etc. Produtos homeopáticos específicos para o quadro de estresse, como o Fator Estresse Pet  ou o Rescue Pet  podem ajudar na adequação do estado mental do paciente!

“O ESTRESSE PSICOLÓGICO É MAIS EFICAZ QUE O FÍSICO PARA BAIXAR AS DEFESAS IMUNOLÓGICAS CUTÂNEAS.”

Efeitos ambientais – extremos de temperatura e humidade, superfícies irritantes ou abrasivas, etc.


No esquema acima: barreira epidérmica desestruturada à esquerda e íntegra à direita.


Revitalizando a barreira cutänea

Cães atópicos apresentam defeitos na barreira cutânea, especialmente no cemento celular (espécie de "cimento" que une uma célula a outra) , que é formado por lipídeos (gorduras), principalmente por ceramidas. As células e os espaços lipídicos intercelulares são os componentes principais desta barreira e quando há uma desestruturação desta barreira o resultado é a perda de água, uma maior penetração de antígenos e produtos químicos, e um aumento da aderência de estafilococus à superfície dos corneócitos (células superficiais da pele).

Nutrição e Nutracêutica


A nutrição contribui para melhorar a produção de ceramidas e, desta forma, fortalecer a função da barreira da pele. Mediante o uso de nutrientes adequados, que atuam sobre a resposta inflamatória, como ácidos graxos poliinsaturados Omega 3 e os que atuam sobre a resposta imunitária, como os probióticos, verifica-se a melhora estrutural da barreira cutânea e uma diminuição e até o controle dos sinais clínicos da atopia, como escamação, prurido e inflamação da pele. A prevenção e o controle das hipersensibilidades alimentares, com a utilização de dietas caseiras hipoalergênicas e alimentos de alta digestibilidade, também apresentam grande valor no tratamento e prevenção da atopia.
Os nutrientes que se consideram importantes para a melhoria da função da barreira cutânea são:
- Zinco: como redutor da inflamação
- Ômega 3 : redução da inflamação
- Algumas vitaminas do complexo B(Inositol, colina, pantotenato, nicotinamida )  e o aminoácido histidina: atuam sobre a síntese da barreira lipídica epidérmica.
- Aloe Vera e curcumina – promovem o aumento dos fibroblastos (uma das células constituintes do tecido conjuntivo entre as células); a síntese de proteoglicanos ( que atraem água pra os tecidos); da produção de TGF (proteína que controla a proliferação celular); e redução da inflamação.

E a alimentação?

Outro importante passo no tratamento da atopia é, ao meu ver, a alteração alimentar para dieta caseira, que faz parte do meu protocolo de tratamento em várias patologias. A não utilização de aditivos alimentares como conservantes, corantes, aromatizantes, e outras dezenas de "antes" acrescidos aos alimentos industrializados, por si só já ameniza os sintomas de prurido e vermelhidão na pele, observados na minha prática clínica. Cada indivíduo deve ter o seu cardápio adaptado as necessidades individuais, baseados em atividade, condição corpórea, patologias que cursam concomitantes, rotina do proprietário, etc.

Tratamento Tópico
A terapia tópica (local), deve visar efeitos hidratantes ( que conduzem água para a pele, p.ex. proteínas do leite), emolientes (que retêm a água na pele, p.ex. óleo de semente de uva), umectantes (que atraem água para a pele, p.ex. algas marinhas); reparadores ( ceratina hidrolizada p.ex.); e vitaminas ( E ), seja na forma de xampus, cremes, loções ou gel

Cuidadores de animais atópicos devem sempre testar produtos de uso local na pele de seus bichos antes de usar: passe uma gota do produto na região interna da virilha onde eles tem menos pelos e esfregue. Deixe agir por 30  minutos. Se o local da aplicação ficar vermelho, quente ou formar um inchaço qualquer, provavelmente o bicho é alérgico e deve-se evitar o uso de tal produto. Caso nenhum desses sinais apareçam, podeser usado com tranquilidade.


                                                                                                                                                                                                                                                                                                               
Os cuidadores e tutores  de animais atópicos devem estar cientes de que, provavelmente, terão que controlar a atopia de seus animais por toda a vida deles e que haverá períodos piores e melhores no decorrer de suas vidas. Portanto, optar por terapêuticas com o mínimo de efeitos colaterais e que visem o controle dos fatores ambientais e psicobiológicos, seria o caminho para melhorar a qualidade de vida dos nossos pets. Dentro da proposta integralista em saúde, devemos valorizar a educação do cuidador no controle de alergenos de ácaros, de aeroalergenos e trofoalergenos (presentes em alimentos), no controle de doenças psicogênicas e psicossomáticas, no controle alimentar e nas suplementações com nutracêuticos adequados, que são alimentos ou parte deles que tem a capacidade de proporcionar benefícios a saúde.

Com relação ao tratamento homeopático, como vivo insistindo em todas as minhas postagens, deve-se ter em mente que não existem fórmulas mágicas que servem para todos os animais com a doença. A abordagem individual deve ser o foco do homeopata para que o indivíduo se estabilize e para que possamos controlar os episódios que surgirão com maior ou menor intensidade, na dependência de fatores desencadeantes e exacerbantes, intrínsecos e extrínsicos ao indivíduo, mas que só a ele pertencem. Tratamos doentes e não doenças. Quando recebemos, em nossos consultórios homeopáticos, animais que já vem sendo medicados por muito tempo com terapias do tipo supressoras, como corticóides, antihistamínicos, quimioterápicos, imunosupressores, etc., devemos orientá-los no sentido de que poderão ocorrer agravações no início da terapia homeopática e de que o tempo que necessitamos para estabilizar o animal é maior quão maior foi o tempo em que se utilizaram tais medicações. Não é um tratamento simples e em muitos casos bastante demorado. Necessita da cumplicidade e confiança do proprietários, que deve ser muito observador e colaborativo, não faltar aos retornos para avaliação e medicar adequadamente.

Neste texto não abordei os tratamentos convencionais alopáticos por haver extensa bibliografia sobre o assunto em diversos sites da internet e também, porque não acredito nessas terapêuticas que na minha prática clínica alopática, por 18 anos, simplesmente não vi resultados que valessem a pena, em troca de tantos efeitos colaterais decorrentes delas.

Referências Bibliográficas:

Muller, R.S. Diagnosis and treatment of canine atopic dermatitis
Ralf S. Mueller DipACVD, DipECVD, FACVSc
Proceedings of the 33rd World Small Animal Veterinary Congress 2008 - Dublin, Ireland. Disponível em: http://www.ivis.org

Nuttall,T. Tratamiento de la dermatitis atópica
Veterinary Focus / / Vol 18 No 1 / / 2008
Disponível em: http://www.ivis.org

Prelaud, P., Harvey, R. Dermatología canina y nutrición clínica
Enciclopedia de la nutrición clínica canina – Royal Canin
Disponível em: http://www.ivis.org

Farias, M.R. Síndrome Dermatite Atópica Canina: consenso.
Disponível em :
http://www.sovergs.com.br/palestras/Dr_Marconi_de_Farias_Sindrome_Dermatite_Atopica_Canina_consenso.pdf
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete vantagens do Uso da Homeopatia em Veterinária:

1. Não requer experimentação cruenta em animais.

2. Não utiliza drogas de elaboração industrial, artificial, tóxicas e/ou contaminantes.

3. Pode prescindir de vacinas ou outros meios artificiais para a prevenção das chamadas enfermidades contagiosas evitando assim, muitas vezes, sérios efeitos colaterais negativos.

4. Promove de forma terapêutica e favorece ideologicamente mudanças de atitude vital, tanto dos pacientes quanto dos terapeutas e cuidadores, ajudando na construção de um mundo melhor.

5. Custo baixo!

6. Trata surtos epidêmicos em populações tanto de forma profilática quanto terapêutica.

7. Ao reequilibrar a energia vital do enfermo atua sobre o organismo como um todo (holos) melhorando não só os sintomas físicos como também os mentais, melhorando as relações com o ambiente, os sofrimentos, os medos, etc.