sábado, 8 de outubro de 2011

Destino adequado das fezes de cães: composteira

Dois textos em um: DIGESTOR DE FEZES CANINAS e COMPOSTEIRA A PROVA DE CÃES, ambos traduzidos pela querida e eficientíssima Médica Veterinária e amiga Sylvia Angélico do cachorroverde
No primeiro texto finalmente descobriremos uma forma de dar um fim adequado aos muitos quilos de fezes produzidos em nossos jardins!!! Os lixeiros e o ambiente agradecem....No segundo texto uma solução para proteger a nossa compostagem dos focinhos curiosos e eternamente famintos dos peludos.
Obrigada Sylvia, você sempre prevendo nossas eternas dúvidas.



Dois projetos “verdes” imperdíveis e descomplicados para seu jardim
Texto: Tom Barthel

Ilustrações: Thomas Kimball
Tradução: Sylvia Angélico

Se você ama seu cão e o meio ambiente, seja verde e faça você mesmo. Com apenas algumas simples ferramentas, produtos básicos, e um pouco de suor, você pode transformar seu jardim em um oásis natural que nutre a Terra e o cão que você ama.
Você vai levar menos que um final de semana para montar cada um desses projetos e acrescentará muito à qualidade de vida do seu pet e ao meio ambiente local. Ao criar seu próprio fertilizante orgânico com os excrementos de seu cão, você gera soluções simples que trarão mais harmonia ao seu quintal!

Digestor de cocô de cachorro

Cocô acontece. Faz parte da posse de cães. De fato, cada um dos 77.5 milhões de cães dos Estados Unidos produz em média 137 quilos de cocô por ano, sendo que a maior parte acaba em sacos plásticos que levam anos para se decompôr no lixão local. Em vez de contribuir para esse cenário, experimente construir sua própria composteira no jardim.
Alguns simples passos convertem a sujeira da Mãe Natureza em bioprodutos inofensivos que retornam ao solo. Esse hábito ecológico não apenas te poupa de manusear as fezes, como é melhor para o meio ambiente, já que preserva a fonte d’ água mais próxima da contaminação de parasitos que podem infestar as fezes caninas.
Cocô canino compostado não deve ser utilizado na horta dos legumes, verduras ou frutas que você irá consumir, porque pode ainda conter micróbios e parasitos prejudiciais aos humanos. Mas você pode facilmente criar uma unidade fechada onde o cocô pode se decompôr naturalmente, longe da vista e dos narizes.
Você vai precisar de:
• Um cesto de lixo com tampa
• Cascalho (um saco)
• Composto ou enzimas para limpeza de tanques sépticos
• Cal ou bicarbonato de sódio
• Furadeira elétrica com ponta de 1/4 de polegada
• Pá
• Tinta em spray



Instruções:
Um receptáculo, de preferência de plástico, com uma tampa seladora é essencial para um jardim com crianças e pets ativos, já que eles podem facilmente cair dentro de um cesto de lixo destampado. Certifique-se de que a tampa está firmemente presa após cada uso. Cestos de lixo maiores para área externa tipicamente têm dois tamanhos: 50 e 100 litros. Mas há menores. Escolha o tamanho do cesto de acordo com o número e o porte de pets que você tem em casa.
Selecione um canto de seu jardim que seja de fácil acesso. Vire o cesto de cabeça para baixo, coloque-o no local selecionado e borrife um círculo de tinta em volta do bocal, desenhando a forma no solo. Usando essa forma como guia, cave um buraco com a profundidade do cesto de lixo, deixando espaço suficiente no topo para levantar e recolocar a tampa do lixo. Não cave onde houver sistema hidráulico ou outras estruturas subterrâneas. Vá sentindo à medida que cava, retirando apenas solo suficiente para permitir o preciso encaixe do cesto de lixo. Com a furadeira, faça diversos furos no fundo do cesto para permitir uma boa drenagem e posicione o cesto dentro do buraco. Acrescente uma camada de cascalho no fundo do cesto.
Recolha as fezes de seu cão e coloque dentro da composteira. Tampe firmemente. Uma vez por semana, levante a tampa e polvilhe composto ou enzimas (encontradas na loja de construção mais próxima ou em lojas de jardinagem) obedecendo as instruções da embalagem. Acrescente uma camada de cal ou bicarbonato de sódio periodicamente se o odor estiver incomodando.

Compost enzyme = enzimas para compostagem; Baking Soda = bicarbonato de sódio



Composteira à prova de cachorros

A compostagem de resíduos do jardim e de restos vegetais é uma excelente maneira de cuidar do Planeta e de, ao mesmo tempo, produzir fertilizante de qualidade para o jardim. O único inconveniente é que a maioria dos cães também adora a ideia. Como eles podem resistir a uma pilha de lixo maturando e se decompondo no sol? Para manter seu cão longe da composteira, você pode construir uma caixa protetora simples, à prova de cachorros.
Trata-se de uma gaiola básica com laterais removíveis que contém a pilha de lixo ao mesmo tempo em que permite que os raios solares e a água das chuvas operem sua magia. E é claro: também evita escavações indesejadas e o ato de rolar sobre a sujeira.
Você vai precisar de:
• Ripas de madeira (aquelas para caixote)
• Tela de viveiro
• Grampos galvanizados para madeira (1 caixa com 50 unidades)
• Parafusos grandes para uso externo
• Trincos para caixa
• 2 dobradiças para portão
• Martelo
• Serra
• Tesoura/alicate para cortar metal
• Furadeira elétrica com ponta de chave de fenda

Uma opção de caixa onde a mistura repousa por até 3 meses para se transformar em adubo


2′ x 4″ = ripas de madeira; fencing staples = grampos; hardware cloth = tela de viveiro; 2′ x 4″ cross brace = ripa de madeira usada internamente para dar suporte
Instruções:
Construa uma moldura de 1 metro por 1 metro com ripas de madeira, aparafusando os quatro lados com parafusos compridos e resistentes. Meça diagonalmente de um canto ao outro para descobrir que comprimento deve ter a ripa suporte que vai por dentro. Serre uma ripa e posicione-a na diagonal, prendendo-a à moldura com parafusos. Desenrole a tela de viveiro sobre toda a moldura e corte-a no tamanho desejado usando a tesoura ou alicate de cortar metal. Com os grampos e o martelo prenda a tela de viveiro. Repita esses passos para montar os outros seis lados da caixa.
Prenda cada um dos quatro lados da caixa com quatro trincos. É muito mais fácil virar a pilha de compostagem quando você consegue remover mais de um lado, expondo mais da pilha e permitindo mais espaço para a manobra necessária de revirar o material. Além disso, quando seu lote estiver completo, o cultivo da compostagem é muito mais fácil se você consegue acessá-lo de todos os lados. Use a moldura final como tampa, prendendo-o a um lado da caixa com dobradiças resistentes. A caixa modular, completa para compostagem, pode ser facilmente desmontada para tarefas de manutenção ao mesmo tempo em que impede que seu pet mergulhe na pilha.
Ao criar uma pilha para compostagem, procure fazer a seguinte combinação: uma parte de resíduos vegetais (restos de grama aparada, restos de verduras, legumes e frutas, etc), e duas partes de resíduos marrons (serragem, folhas mortas, jornal picado, etc). Mantenha as peças da pilha pequenas, do tamanho de uma moeda de 1 real, com a exceção das folhas, que podem ser usadas em seu tamanho natural. Umedeça a pilha (se não tiver chovido recentemente) e revire tudo com uma pá ou ancinho para incorporar oxigênio pelo menos uma vez a cada dois dias. Com sol, água e oxigênio, um rico composto se formará em quatro semanas. Espalhe-o no gramado ou no canteiro de flores ou horta de legumes e verduras para empregá-lo como um fertilizante 100% natural e de baixo custo.



Ainda que você seja minimamente habilidoso com ferramentas e não seja adepto do faça-você-mesmo, construções simples como essas estão bem dentro do seu alcance. Que tal colocar as mãos à obra nesse final de semana e fazer uma grande diferença para seu cão e para o meio ambiente?

Tom Barthel é um mestre em jardinagem de Lansing, Michigan, e escritor autônomo especialista em assuntos relacionados a cães e jardins. Seu livro mais recente é Dogscaping: Creating the Perfect Backyard and Garden for You and Your Dog, da editora BowTie, 2010, algo como “Paisagismo para Cães: Criando o Quintal e Jardim Perfeitos para Você e Seu Cão” em português, inédito no Brasil.
Material original: “Two Green Must-Haves: Easy DIY projects for your backyard” – artigo escrito por Tom Barthel e publicado na revista Natural Dog+Dog Fancy, verão de 2010, págs 24, 26, 28 e 30.

Postado por Sylvia Angélico em www.cachorroverde.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete vantagens do Uso da Homeopatia em Veterinária:

1. Não requer experimentação cruenta em animais.

2. Não utiliza drogas de elaboração industrial, artificial, tóxicas e/ou contaminantes.

3. Pode prescindir de vacinas ou outros meios artificiais para a prevenção das chamadas enfermidades contagiosas evitando assim, muitas vezes, sérios efeitos colaterais negativos.

4. Promove de forma terapêutica e favorece ideologicamente mudanças de atitude vital, tanto dos pacientes quanto dos terapeutas e cuidadores, ajudando na construção de um mundo melhor.

5. Custo baixo!

6. Trata surtos epidêmicos em populações tanto de forma profilática quanto terapêutica.

7. Ao reequilibrar a energia vital do enfermo atua sobre o organismo como um todo (holos) melhorando não só os sintomas físicos como também os mentais, melhorando as relações com o ambiente, os sofrimentos, os medos, etc.