Reduzindo o estresse ao levar seu gato ao veterinário


Levando seu gato ao veterinário

Dra. Letícia Fanucchi - Comportamento Animal em Foco
www.comportamentoemfoco.blogspot.com.br

Já acompanho esse blog há algum tempo e gosto muito das postagens e dos assuntos abordados, utilizo seus conteúdos em minhas postagens e hoje decidi publicar esse artigo bacana que fala de um assunto do dia a dia da clínica e do cuidador de gatos.
É sempre estressante ter que levar o gatinho ao veterinário. O estresse é muito intenso e eu diria ainda que chega a ser perigoso dependendo do quadro clínico do paciente. Nesses casos, prefiro atender em domicílio e quando não é possível, tomo muitos cuidados na abordagem do paciente como esperar que fique mais calmo antes de retirá-lo da caixa enquanto fazemos a ficha e conversamos para entender o quadro clínico do felino; manter janelas e portas fechadas, temperatura interna agradável, deixá-lo explorar o ambiente do consultório até que fique mais tranquilo, sempre com tranquilidade e muita paciência....boa leitura.
Namastê.


Esse é o Cajú, delícia de paciente que chega assustadinho e aos poucos se ambienta depois de explorar as passarelas, passagens e prateleiras que tenho no consultório. Gosto de aguardar o tempo de cada um pra depois fazer a abordagem. Óbvio que nem sempre o resultado é fácil, mas com a colaboração de um cuidador bem orientado e equilibrado, o exame clínico acaba acontecendo da melhor forma possível.

Vamos ao texto da Dra. Letícia Fanucchi e não deixem de fuçar no blog dela com informações muito úteis quando o assunto é Comportamento Animal.


Levar seu gato ao veterinário periodicamente é importante para a manutenção do bem estar do seu felino. Muitos gatos não gostam de ir ao veterinário, e a luta começa em colocar o animal na caixa de trasnporte, certo? Se pudermos tornar esta etapa menos traumática, todas as outras etapas serão mais fáceis. As dicas a seguir podem ajudar neste processo.
Entendendo o comportamento dos gatos
- Gatos geralmente se sentem mais à vontade em ambiente conhecido, e necessitam de mais tempo que os cães para se acostumarem com novos ambientes, bem como pessoas estranhas à eles.
- Mantenha a calma! Gatos percebem suas ansiedades e frustrações, o que os torna ainda mais estressados.
- Gatos não aprendem com o uso da força ou punição física, e sim com recompença por comportamentos positivos. Exemplo: quando o gato está perto da caixa transportadora e agindo normalmente (calmo), dê-lhe algo que ele goste de comer, para associar a caixa à algo positivo. Coloque comida dentro da caixa e deixe com que o gato entre sozinho, coma a comida e saia sem forçá-lo a ficar lá dentro. Torne a caixa transportadora um lugar agradável e não um objeto de tortura que é somente usado para visitas ao veterinário. Este trabalho começa em casa com o gato ainda filhote, dias antes da consulta.
                 Quando estão ambientados com as caixas, tudo fica muito mais fácil
Escolhendo a caixa correta

- As melhores caixas transportadoras para gatos são as de plástico duro e resistente, com abertura na frente e em cima. A caixa deve ser segura, com trava, para que o gato não escape.
- Lembre-se de prender a caixa com o cinto de segurança no carro, para que a mesma não deslize ou tombe nas curvas, ou ao parar o carro.
- Alguns gatos se estressam menos se a caixa estiver coberta. Um lençol cobrindo a caixa é o suficiente para limitar a visão do bichano.

Colocando o gato na caixa
 
- Coloque a caixa em um cômodo pequeno da casa que não tenha muitos lugares onde ele possa se esconder.
- Tente fazer com que o gato entre espontaneamente, colocando uma comida dentro da caixa.
- Se ainda assim o gato não entrar, ou tiver de estar em jejum, coloque-o na caixa pela abertura de cima, e feche a caixa calmamente, sem bater.
- Algumas caixas separam o fundo da parte de cima, facilitanto a colocação do gato na caixa.
- Sprays de ferormônio 30 minutos antes de colocar o gato na caixa podem ajudar no processo.
- Fale sempre com voz calma. O seu comportamento influencia o do seu gato diretamente.

Ao voltar pra casa

- Se você tem somente um gato na casa, deixe-o sair da caixa livremente.
- Se você tem mais de um gato em casa, lembre-se de que gatos são altamente sensíveis à odores, principalmente os desconhecidos (ou desagradáveis para os gatos). Alguns gatos demonstram agressividade para com o gato que esteve ausente, muitas vezes isto se deve aos odores de medicamentos, álcool, enfim, trazidos do ambiente da clínica.
- Se os outros gatos da casa estiverem aparentemente calmos, deixe com que o gato saia da caixa.
- Se os gatos estiverem estressados, leve a caixa para outro cômodo da casa, feche a porta, e daí sim deixe o gato sair da caixa. Às vezes é necessário deixá-lo neste cômodo por alguns minutos ou horas para que ele se lamba e retire parte do odor trazido da clínica.
- Se você tem dois gatos, pode-se levar os dois ao veterinário, cada um dentro de uma caixa separada, para que na volta este processo de reintrodução se torne menos estressante.

Postagens mais visitadas