domingo, 31 de março de 2019

Seu cachorro sabe dormir sozinho?


Durante férias, feriados e festas de final de ano muitas pessoas viajam e deixam seus pets em hospedagens. Será que elas sabem como seus cães se comportam dormindo fora de casa em um local estranho? 
Neste texto vamos falar um pouco sobre como preparar o cão para a estadia em um local estranho e como evitar que ele sofra dormindo sozinho. 
Cada vez mais os cães são considerados filhos e membros da família, estreitando os laços e estando cada vez mais junto dos tutores em todos os momentos do seu dia. 
Sem pensar nas consequências desse hipervinculo com o cão, os tutores são responsáveis por tornar esse cãozinho totalmente dependente da presença humana, e quando precisam se ausentar de casa ou deixá-lo em alguma hospedagem o cão apresenta dificuldade para dormir sozinho. 
“Entende-se por síndrome de ansiedade por separação (SAS) o conjunto de respostas fisiológicas e comportamentais, exibidas isoladamente ou em associação, por um dado animal quando na ausência de uma figura de apego. A SAS tornou-se um problema comportamental comumente reportado nos animais de companhia, sendo descritos sérios impactos sobre a qualidade da interação humano-animal e o bem-estar animal, em especial, dos cães.” Revista Brasileira de Zoociências 18(3): 159-186. 2017 -Machado & Sant’Anna


Como saber se meu cãozinho tem ansiedade por separação? 
  • O cão segue o tutor pela casa;
  • Vocalização exagerada (latidos, uivos e choro); 
  • Não consegue dormir na própria cama, dorme sempre com o tutor; 
  • Faz as necessidades em local errado quando deixado só;
  • Não se alimenta sozinho;
  • Pode se tornar destrutivo; 
  • Se mutila e arranha portas; 
  • Autolimpeza excessiva e automutilação; 
  • Intensa agitação e movimentação logo após saída tutor. 

Para evitar que seu cão desenvolva ansiedade por separação, você deve educá-lo para ser independente, ele precisa ter o canto dele na casa, com as coisas e brinquedos dele. Mesmo com você em casa, ele precisa conseguir ficar em outro cômodo sem apresentar angústia por isso, como nós precisamos de um tempo só, os cães também. 


Bom, você precisa viajar e agora que leu este texto sabe que provavelmente seu cãozinho sofre de ansiedade por separação, como ajudar ele a lidar com isso antes de mandá-lo para a hospedagem? 

• Comece tirando ele da sua cama, deixe a caminha dele ao lado da sua e coloque ele lá sempre que subir de volta, associe a cama dele com algo gostoso para roer, as primeiras noites serão as mais difíceis, mas você precisa ser firme, é para o bem dele. 
• Passaram alguns dias e ele está dormindo muito bem na cama dele ao lado da sua, vá distanciando a caminha dele da sua em direção a saída do quarto, até o dia em que conseguir deixa-lo dormindo em outro cômodo, só avance as etapas se ele estiver lidando bem. 
• Não faça festas quando você chegar em casa e nem se despeça dele, deixe coisas legais para ele fazer na sua ausência, um KONG recheado e ossos recreativos são ótimas opções. 
• Quando você estiver em casa, não permita que ele te siga por todos os lados, feche a porta dos cômodos e deixe ele com as coisinhas dele, sempre associe sua saída do ambiente com algo muito melhor. 
• Simule saídas rápidas, deixe algo gostoso e quando voltar, retire. 

Se o cãozinho sofre de ansiedade por separação o ideal é que ele visite o local onde ficará hospedado algumas vezes até o dia em que ficará lá, se o local oferecer creche leve ele para ficar algumas horas e se habituar com o lugar.

Autora: Stefanie Davi, educadora canina, Instagram @petassistancefloripa

Visite a loja Bicho Integral - Soluções Naturais para tutores Conscientes. loja.bichointegral.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete vantagens do Uso da Homeopatia em Veterinária:

1. Não requer experimentação cruenta em animais.

2. Não utiliza drogas de elaboração industrial, artificial, tóxicas e/ou contaminantes.

3. Pode prescindir de vacinas ou outros meios artificiais para a prevenção das chamadas enfermidades contagiosas evitando assim, muitas vezes, sérios efeitos colaterais negativos.

4. Promove de forma terapêutica e favorece ideologicamente mudanças de atitude vital, tanto dos pacientes quanto dos terapeutas e cuidadores, ajudando na construção de um mundo melhor.

5. Custo baixo!

6. Trata surtos epidêmicos em populações tanto de forma profilática quanto terapêutica.

7. Ao reequilibrar a energia vital do enfermo atua sobre o organismo como um todo (holos) melhorando não só os sintomas físicos como também os mentais, melhorando as relações com o ambiente, os sofrimentos, os medos, etc.